15:44hs
Segunda Feira, 18 de Novembro de 2019
Caxambu - Notícias
20/06/2017 09h06

Contrato de cessão de uso do Parque das Águas de Caxambu

Codemig prorroga por mais 90 dias o acordo com o município, que seria encerrado no próximo dia 30

Contrato entre Codemig e prefeitura foi prorrogado por 90 dias

O contrato de cessão de uso entre a Prefeitura de Caxambu e a Codemig foi prorrogado por mais 90 dias. O anuncio foi feito na última terça-feira (13) em audiência na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Na oportunidade, representantes do poder público do município apresentaram questionamentos sobre o assunto em questão.

A informação é resultado da luta entre o poder público municipal, ativistas e população que são contra a forma como a empresa pretende utilizar as águas minerais do município. No início deste mês, a Câmara Municipal de Caxambu realizou audiência pública que antecedeu a da última terça-feira.
O contrato entre as partes seria encerrado no próximo dia 30 deste mês. A Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais tem sido alvo de críticas da população caxambuense e de ativistas desde o início do ano, quando apresentou edital que previa a privatização e superexploração das águas minerais de Caxambu.

A audiência pública na Assembleia Legislativa pautou esse e outros assuntos, como a intenção da companhia de estabelecer parceria público-privada (PPP) para também explorar as fontes minerais de Cambuquira e Lambari.

De um lado, ambientalistas e representantes da sociedade civil temem a ação predatória de empresas interessadas somente no lucro. O governo, por sua vez, alega que a contratação de um sócio privado é essencial para viabilizar o negócio.

A principal preocupação da população é de que seja seguido o modelo de exploração comercial de São Lourenço. Entidades conservacionistas alegam que a superexploração dos aquíferos por parte da Nestlé, que assumiu as atividades em 1994, teria secado algumas fontes e provocado outros prejuízos ambientais.

A empresa informou que propõe a criação de uma Sociedade em Contas de Participação (SCP), que segundo ela, é um modelo diferente de uma privatização de maneira que, como gestora desse ativo público, a Codemig permaneceria na sociedade e, após a seleção de um parceiro privado, de forma conjunta, administrariam o bem.

Os deputados Antonio Carlos Arantes e Dalmo Ribeiro Silva (PSDB) compartilham essa preocupação. “A proposta do governo é indecente. O governador quer passar para a iniciativa privada toda essa riqueza”, salientou Arantes.

Dalmo sugeriu inclusive a suspensão do edital de licitação, para que o Executivo possa explicar todas dúvidas geradas pela proposta de contrato divulgada pela Codemig, que pretende estabelecer uma PPP por 15 anos, prorrogável por igual período.

Ao abordarem a necessidade de uma gestão eficiente dos recursos hídricos, os deputados Roberto Andrade (PSB), Coronel Piccinini (PSB), Braulio Braz (PTB) e Duarte Bechir (PSD) destacaram a qualidade diferenciada das águas da região e o seu potencial para alavancar o desenvolvimento dos municípios.

PUBLICIDADES
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone para contato.: (35) 3332-1008
Textos e contatos em geral: jornalcp@correiodopapagaio.com.br
SAC: online@correiodopapagaio.com.br
R. Ledo, 250 - Centro - São Lourenço - MG