02:24hs
Sexta Feira, 10 de Julho de 2020

Leia nossas últimas edições

Correio do Papagaio - Edição 1447
Correio do Papagaio - Edição 1454
Ciência e Tecnologia
09/10/2012 17h49

Tecnologia Telescópio ganha robô de 24 braços para registrar galáxias

Telescópio ganha robô de 24 braços para registrar galáxias


Equipamento tem 24 braços robóticos que funcionam a -200°C

O  Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês) recebeu no Chile um novo instrumento criado em Edimburgo por pesquisadores do Reino Unido e Alemanha. O Espectrômetro de Multi-Objeto em Banda K (KMOS) será capaz de registrar diversas galáxias simultaneamente. Até agora, os espectrômetros tinham de identificar cada galáxia individualmente para obter informações, um processo que levava anos.

O "Banda K" no nome se refere a uma área específica do espectro eletromagnético. Segundo o Conselho de Ciência e Tecnologia do Reino Unido, o equipamento utiliza 24 braços robóticos criogênicos (que operam a -200°C), com espelhos de ouro nas extremidades, que podem se mover para apontar com precisão para a luz vinda de galáxias distantes. Isso permite que o espectrômetro registre em dois meses a mesma quantidade de informações que outro equipamento levaria anos.

"O KMOS representa um passo essencial na nossa busca por investigar o universo distante. A habilidade de observar no infravermelho próximo 24 galáxias simultaneamente é um enorme salto comparado com qualquer outro instrumento. Ele vai possibilitar uma pesquisa muito mais rápida (...) A maioria das observações feita por espectroscopia do infravermelho próximo feita nos últimos 10 anos pode ser feita em dois meses com o KMOS", diz Michele Cirasuolo, cientista que liderou o projeto de criação do equipamento.

O robô é capaz de analisar cada detalhe de uma galáxia (seu núcleo, bojo, braços e outras áreas) ao mesmo tempo e identificar suas propriedades físicas e químicas. "Para cada uma das galáxias, o KMOS nos dará uma quantidade incrível de informação. Não é apenas uma imagem de uma galáxia, mas espectroscopia 3D que provê explicações sobre a física espacial, a química e a dinâmica. Isso é crucial para entender como galáxias adquirem sua massa e formam sua estrutura ao longo do tempo cósmico, até a formação das primeiras galáxias, há mais de 13 bilhões de anos", diz Michele.

Para registrar galáxias no infravermelho próximo, o equipamento precisa de uma temperatura muito baixa - ou o calor emitido pelo equipamento atrapalha a observação. O espectrômetro será analisado pelo ESO e depois instalado no telescópio VLC.







Fonte: Terra

PUBLICIDADES
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone para contato.: (35) 3332-1008
Textos e contatos em geral: jornalcp@correiodopapagaio.com.br
SAC: online@correiodopapagaio.com.br
R. Ledo, 250 - Centro - São Lourenço - MG