09:45hs
Quarta Feira, 26 de Junho de 2019

Leia nossas últimas edições

Correio do Papagaio - Edição 1342
Correio do Papagaio - Edição 1356
Economia
19/03/2019 18h10

Dólar tem 3ª queda seguida, mas ritmo de baixa se reduz com cautela antes do Fed

O dólar engatou a terceira queda consecutiva nesta terça-feira, 19, e já acumula sete dias de baixas nos últimos oito pregões, em meio ao otimismo com o avanço da Previdência e do exterior positivo. Nesta terça, depois de uma primeira parte de negócios de maior otimismo, quando o dólar chegou a recuar para R$ 3,76, com operadores reportando nova entrada de fluxo externo para a bolsa, a parte da tarde foi marcada por maior cautela, com a expectativa do final da reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) e também pela entrega da proposta de reforma da Previdência dos militares ao Congresso, também prevista para esta quarta-feira. O dólar à vista fechou em queda de 0,06%, cotado em R$ 3,7891.

A moeda americana voltou a se enfraquecer no mercado internacional ante divisas de países desenvolvidos, como a libra, mas operou mista em relação aos emergentes, caindo no México e subindo em outros mercados, como a Turquia. Na parte da tarde, a queda perdeu fôlego, enquanto aumentava a expectativa pela reunião do Fed e também a do Banco Central do Brasil, que começou nesta terça o primeiro encontro sob comando do novo presidente, Roberto Campos Neto.

"O mercado ficou em compasso de espera hoje (terça), pelo Fed e para ver qual a diretriz do novo Copom", disse o operador da Advanced Corretora, Alessandro Faganello. Nos Estados Unidos, a expectativa é ver se o Fed vai manter a postura cautelosa e paciente que vinha sinalizando. Para o encontro daqui, o objetivo é ver se Campos Neto vai sinalizar alguma mudança de direção da política monetária, que pode ter consequências na entrada de dólares no País. Outra expectativa do mercado, disse ele, é pela entrega da proposta de reforma da Previdência dos militares ao Congresso, que deve ocorrer na tarde desta quarta-feira.

Mais cedo, o presidente em exercício, Hamilton Mourão, afirmou que a proposta dos militares está pronta e só precisa do aval de Jair Bolsonaro, que volta Nesa terça à noite dos Estados Unidos após se encontrar com Donald Trump. À tarde, o secretário executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, reforçou que a equipe econômica está fazendo os ajustes finais e que a decisão política sobre o tema é de Bolsonaro.

Para a reunião do Fed, a economista-chefe da corretora Stifel, Lindsey Piegza, espera que os dirigentes reduzam a projeção feita em dezembro de duas altas de juros em 2019 para "uma ou nenhuma". Ela não descarta que o próximo movimento do Fed possa até ser um corte de juros, diante da desaceleração da economia. Nesse contexto, uma das possibilidades nesta quarta é o BC americano cortar as previsões de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA para os próximos anos.

Fonte: Estadão Conteúdo
PUBLICIDADES
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone para contato.: (35) 3332-1008
Textos e contatos em geral: jornalcp@correiodopapagaio.com.br
SAC: online@correiodopapagaio.com.br
R. Ledo, 250 - Centro - São Lourenço - MG