20:21hs
Segunda Feira, 23 de Maio de 2022

Leia nossas últimas edições

Leia agora o Correio do Papagaio - Edição 1643
Esportes
27/11/2014 16h50

Beckenbauer está entre dirigentes investigados pela Fifa

Um dos maiores jogadores de todos os tempos e dos dirigente mais influentes na atualidade, o alemão Franz Beckenbauer é um dos cinco dirigentes da Fifa investigados pela entidade máxima do futebol por conta do escândalo de corrupção na escola das sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022.

De acordo com a agência de notícias Associated Press, além do alemão, também são investigados o vice-presidente da Fifa Angel Maria Villar (Espanha), Michel D'Hooghe (Bélgica), Worawi Makudi (Tailândia) e Harold Mayne-Nicholl (Chile). Os três primeiros são membros de longa data do comitê executivo da Fifa.

Beckenbauer era um eleitor da Fifa quando o comitê executivo escolheu a Rússia para sediar a Copa do Mundo de 2018 e Catar garantiu o torneio de 2022. Ele já havia sido provisoriamente suspenso durante a Copa do Mundo do Brasil, inicialmente por se recuar de inicialmente se recusando a ajudar o norte-americano Michael Garcia, presidente do comitê de ética da Fifa, nas investigações.

Mayne-Nicholls inspecionou para a Fifa os países candidatos a receber as Copas de 2018 e 2022 antes das eleições de dezembro de 2010 e teria conseguido colocar familiares em um rico centro de treinamento do Catar, chamado Aspire Academy.

Na semana passada, os presidentes das comissões de ética da Fifa, Michael Garcia e Joachim Eckert, disseram quem "um número de processos formais" havia sido aberto contra indivíduos não-identificados. Os nomes começaram a aparecer na imprensa europeia desde então e, nesta quinta-feira, foram anunciados pela AP.

Villar, que foi eleito para o conselho executivo da Fifa há 16 anos, era um dos líderes da campanha conjunta de Espanha e Portugal, candidata à Copa de 2018, e que tinha um pacto com o Catar de apoio no caso de eliminação. Tal acordo violaria as regras de Fifa. Presidente do comitê jurídico da FIFA, Villar tentou remover Garcia das investigações.

D'Hooghe, o mais longo conselheiro titular, com 26 anos de serviço, anteriormente reconheceu aceitar um quadro oferecido por um dirigente russo durante a campanha. Ele disse que votou apenas por sua terra natal, uma vez que Holanda e Bélgica ofereceram campanha conjunta.

Makudi entrou no conselho da Fifa em 1997 e era um aliado de longa data de Mohamed bin
Hammam, pivô da acusação de compra de votos para a eleição do Catar.

Fonte: Estadão Conteúdo
PUBLICIDADES
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone: (35) 99965-4038
E-mail: comercial@correiodopapagaio.com.br
R. Dr. Olavo Gomes Pinto, 61 - Sala 207 - Centro - São Lourenço - MG