22:37hs
Sexta Feira, 05 de Junho de 2020

Leia nossas últimas edições

Correio do Papagaio - Edição 1439
Correio do Papagaio - Edição 1445
Geral - Noticias
06/04/2020 07h50

Estudo vai usar modelo de sondagem eleitoral para calcular casos de covid-19

Um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), no Rio Grande do Sul, vai usar uma metodologia similar à das pesquisas eleitorais para calcular quantos casos de covid-19 existem no Brasil. Os testes começam em 15 dias. Antes do fim de maio, o País já terá dimensão bem mais clara do tamanho da epidemia.

Originalmente, o objetivo do projeto era fazer o levantamento de forma experimental somente no Rio Grande do Sul, com financiamento de R$ 1 milhão do Instituto Serrapilheira. Mas o Ministério da Saúde logo percebeu o potencial da ideia. Antes que os técnicos fossem a campo no Sul, firmou um contrato para uma pesquisa de abrangência nacional. Será o primeiro estudo no Brasil a estimar o número de infectados com maior precisão.

Projeções matemáticas sugerem que os números oficiais da epidemia representam apenas 10% do total real de infectados. Pela dimensão mundial da pandemia e pelo tamanho da população brasileira, não há testes disponíveis para todos. Por isso, apenas os casos mais graves, que requerem internação hospitalar, estão sendo testados.

Pelo menos 80% dos infectados, no entanto, têm pouquíssimos sintomas ou nem sequer os apresentam. Mesmo assim, transmitem o vírus. É por isso que, atualmente, o distanciamento social é a única forma de impedir disseminação maior da doença: ao confinar todo mundo, os portadores assintomáticos também ficam isolados.

Mas se soubermos com mais exatidão quantos são os infectados, onde eles estão e, sobretudo, quem já teve a doença e está imune, será possível, por exemplo, criar medidas de prevenção menos radicais e mais objetivas. Os doentes poderiam ser isolados e os que já estão imunizados poderiam voltar ao trabalho sem risco de contaminação.

"Para combater a epidemia, é preciso entender urgentemente a epidemiologia da doença", afirma o diretor-presidente do Serrapilheira, Hugo Aguilaniu. "Este é apenas um primeiro passo, mas é fundamental que seja feito o mais rapidamente possível, pois, sem dados sólidos, nenhuma política de saída de crise é possível. Por isso decidimos apoiar este projeto."

De acordo com o protocolo do estudo desenhado para o Brasil, serão testadas 99.750 pessoas de todas as regiões brasileiras em três fases. Cada uma terá 33.250 pessoas, e haverá intervalos de tempo de duas semanas entre elas. Somente em São Paulo serão 8.250 testados. Nas pesquisas de intenção de voto, que têm margem de erro de 2% a 3%, são entrevistadas, em média, duas mil pessoas.

"Neste momento, a melhor recomendação é o isolamento", constata o epidemiologista Pedro Hallal, reitor da UFPel e coordenador-geral do projeto. "Mas sabemos que esse isolamento não pode durar seis meses, um ano. Por isso, precisamos de evidências científicas para recompormos nossa força de trabalho. Isso não pode ser feito por critérios ideológicos, e sim científicos. Vamos identificar os imunizados e devolvê-los ao mercado de trabalho."

Um instituto de pesquisa deverá ser contratado para fazer a coleta dos exames. Eles vão testar as pessoas com um teste rápido para detectar o novo coronavírus e também entrevistá-las em todos os Estados do País, em amostras proporcionais às populações locais. Especialistas do IBGE trabalham em outras etapas do processo.

"O nome do projeto é 'back to the basics' (de volta ao básico, em inglês)", disse Hallal. "A epidemiologia avançou muito e faz muitas modelagens, cria modelos estatísticos, para ver o que vai acontecer daqui a vinte anos com epidemias que já estão aqui há séculos. Com isso, nos desacostumamos a fazer os trabalhos mais básicos da epidemiologia. Mas agora, com uma epidemia nova, temos que fazer isso, voltar ao básico; saber, antes de mais nada, quantas pessoas foram infectadas."

O número de pessoas testadas servirá como uma amostra muito mais confiável do que as disponíveis hoje do total da população. O custo estimado é R$ 30 milhões. O estudo no Rio Grande do Sul está mantido: serão testadas 18 mil pessoas, em 4 fases. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Estadão Conteúdo
PUBLICIDADES
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone para contato.: (35) 3332-1008
Textos e contatos em geral: jornalcp@correiodopapagaio.com.br
SAC: online@correiodopapagaio.com.br
R. Ledo, 250 - Centro - São Lourenço - MG