19:49hs
Quarta Feira, 18 de Setembro de 2019

Leia nossas últimas edições

Correio do Papagaio - Edição 1379
Correio do Papagaio - Edição 1380
Internacional
08/09/2019 09h40

Hong Kong: manifestantes cantam hino americano e pedem ajuda dos EUA

Milhares de manifestantes cantaram o hino dos Estados Unidos e pediram para que o presidente americano, Donald Trump, protejam os direitos humanos em Hong Kong, encerrando um fim de semana de protestos menores e acalorados que continuaram mesmo após a recente tentativa de conciliação do governo. Este é o 14º fim de semana seguido de protestos.

Manifestantes, com muitas bandeiras americanas, se reuniram em um parque no principal distrito comercial da cidade durante o início da tarde deste domingo (horário local) e, durante horas, marcharam pelo imenso complexo consular dos EUA até uma colina próxima.

Os protestos de sexta e sábado tornaram-se violentos em várias estações de metrô até altas horas. No domingo, manifestantes gritaram com a polícia que isolou as ruas da cidade e as autoridades fecharam uma estação de metrô principal perto do consulado dos EUA, enquanto os manifestantes aumentavam em número.

No início da noite, caixas de papelão e cercas de estradas deslocadas foram incendiadas em frente a uma entrada da estação. Em outras entradas, janelas foram quebradas e manifestantes atiraram pedras.

O fim de semana de manifestações sinaliza que as recentes ações do governo - incluindo a retirada de um projeto que permitiria a extradição de suspeitos de crimes para a China continental para julgamento - falharam em pacificar o movimento de protesto da cidade.

A manifestação deste domingo teve como objetivo convidar os EUA a agir para proteger Hong Kong e apoiar o movimento de protesto. A marcha do dia começou com os organizadores tocando o hino nacional dos EUA, enquanto muitos acenavam grandes bandeiras americanas e britânicas-coloniais. No final da tarde, cantos de "EUA! EUA!" podiam ser ouvidos.

Organizadores e manifestantes pediram especificamente ao Congresso a aprovação da Lei de Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong, que imporia sanções a Hong Kong ou autoridades chinesas que suprimem as liberdades básicas na cidade.

Embora alguns no Congresso tenham pedido apoio mais aberto ao movimento de protesto de Hong Kong, o governo Trump foi amplamente restringido em sua resposta às manifestações. Trump descreveu inicialmente Hong Kong como um assunto interno da China, embora mais tarde tenha alertado o presidente chinês Xi Jinping de que uma reação violenta aos protestos poderia ameaçar um acordo comercial.

Pequim disse repetidamente que Hong Kong é um assunto interno e exigiu que os legisladores dos EUA "cuidem de seus próprios negócios" quando se trata de assuntos relativos à cidade semiautônoma.

As autoridades chinesas também acusaram os EUA de envolvimento no movimento de protesto. Em uma foto amplamente divulgada pela mídia estatal chinesa, um funcionário consular dos EUA em Hong Kong foi visto se reunindo em um lobby de hotel com figuras proeminentes da democracia. O China Daily e outros canais do continente apontaram a imagem como evidência de envolvimento dos EUA por trás dos protestos.

A Embaixada dos EUA em Pequim negou que Washington estivesse por trás dos protestos. O consulado dos EUA em Hong Kong não fez comentários imediatos neste domingo.

Fonte: Estadão Conteúdo
PUBLICIDADES
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone para contato.: (35) 3332-1008
Textos e contatos em geral: jornalcp@correiodopapagaio.com.br
SAC: online@correiodopapagaio.com.br
R. Ledo, 250 - Centro - São Lourenço - MG