Estamos de luto pelo Carlinhos do Hospital de Aiuruoca
09:09hs
Sábado, 31 de Outubro de 2020

Leia nossas últimas edições

Correio do Papagaio - Edição 1481
Correio do Papagaio - Edição 1486
Internacional
15/10/2020 19h22

Negros enfrentam horas de fila para votar antecipadamente na Geórgia

Eles vieram aos milhares para votar cedo, descendentes de escravos, filhos da era dos direitos civis e outros moradores da Geórgia que ficaram na fila por horas quando todos poderiam estar em outro lugar.

No entanto, em um ano em que questões como preconceito e justiça racial estão em primeiro plano, os eleitores negros viram que vale a pena perder tempo para votar no próximo presidente dos Estados Unidos - mesmo que no início do processo de votação e durante uma pandemia o mero ato de ir a um local de votação se torne um ato arriscado.

Tendo de esperar mais de três horas para votar em Savannah na quarta-feira, 14, Khani Morgan, de 75 anos, não estava se arriscando com sua saúde meses depois de sofrer um derrame: ela usava uma máscara e uma proteção de plástico que cobria todo o rosto.

Morgan disse que a importância do voto foi incutida nela quando menina pela bisavó Sally Williams, que nasceu escrava em 1850 e viveu mais de 100 anos. Morgan se sentiu obrigada a votar cedo para registrar seu apoio ao democrata Joe Biden sobre o presidente Donald Trump.

"Não vou deixar nada ficar no caminho de mim e desta oportunidade", afirmou Morgan, que coordena um programa de alfabetização de adultos. A disposição de muitos eleitores negros de fazer fila ao invés de voltar outro dia é uma medida de sua determinação e ceticismo sobre o sistema.

Os moradores da Geórgia reconheceram que poderiam ter votado pelo correio ou retornado a um local de votação em um momento diferente. Mas sem a expectativa de que a votação se tornasse mais fácil nas próximas semanas, eles viram a espera como uma etapa necessária.

Nascido durante um ano crucial do movimento pelos direitos civis, quando os negros ainda lutavam pelo direito de voto no Sul, Donovan Stewart, de 56 anos, se preparou para esperar o tempo que fosse necessário para votar no subúrbio de Duluth, em Atlanta.

"Muitos indivíduos passaram por muito, sofreram muito por esta oportunidade", disse Stewart, um militar aposentado. "Para que eu pudesse ficar na fila por quatro horas para cumprir meu dever cívico. É para isso que fomos chamados, votar e tentar fazer uma mudança. "

Os primeiros eleitores esperaram em longas filas em outros Estados, incluindo Texas, Kentucky e Tennessee. Mas na Geórgia, que é vista como um Estado mais disputado do que no passado, as eleições chamaram a atenção nos últimos anos.

Esse tem sido o caso principalmente desde 2018, quando o republicano Brian Kemp derrotou a democrata Stacey Abrams em uma disputa governamental acirrada que foi atormentada por longas esperas e alegações de supressão de eleitores.

Longas filas causadas em parte por problemas de equipamento prejudicaram as primárias de junho do Estado, e as preocupações resultaram em uma enxurrada de ações judiciais relacionadas às eleições buscando soluções rápidas antes da eleição de novembro, bem como mudanças mais amplas e de longo prazo no sistema de votação.

Apesar de reconhecer falhas no equipamento, o secretário de Estado, Brad Raffensperger, disse que os procedimentos de limpeza relacionados à pandemia e um grande comparecimento resultaram na longa espera que os eleitores encontraram até agora durante a votação.

"Se você olhar para essas filas, elas parecem longas, mas todos estão espaçados por dois metros e isso faz com que pareçam muito mais longas", disse ele durante uma coletiva de imprensa.

Muitos eleitores da Geórgia decidiram votar perto do início da votação antecipada ao invés de esperar até mais perto do dia da eleição. A votação tem sido pesada tanto em distritos com tendência democrata quanto em redutos republicanos.

Incapaz de encontrar o fim da longa fila durante sua primeira tentativa na votação antecipada na segunda, Michelle Lynch tentou novamente na quarta e tirou uma selfie enquanto exibia seu adesivo "Eu votei" depois de ter sucesso.

Lynch votou em Biden e planeja compartilhar sua história nos próximos anos. "Quero poder dizer aos meus netos que participei da votação", disse. "Nossos ancestrais lutaram tanto pela votação e eu sinto que este é um momento agora".

Stephanie Loftin, de 48 anos, levou cerca de quatro horas para votar pessoalmente perto de Atlanta. Embora a votação ausente tivesse permitido que ela evitasse uma fila, Loftin não se sentia confortável com a ideia de enviar sua cédula ou jogá-la em uma caixa de coleta. "Eu não confio no sistema, para dizer o mínimo. Sinto que ficar na fila e realmente garantir que minha cédula seja feita me faz sentir melhor, me faz descansar melhor à noite".

Na cidade de Marietta, Alexus Daniels, de 26 anos, não foi impedido por longas filas. "Nosso país está uma bagunça agora então eu tive que sair, eu tenho que fazer minha voz ser ouvida", disse ele enquanto esperava sua vez.

De volta a Savannah, Crystal Clark chegou às urnas preparado para uma longa espera enquanto usava uma máscara para proteção contra vírus e carregava um banquinho dobrável para descansar. Clark decidiu votar pessoalmente depois que a cédula pelo correio que ela solicitou no início de setembro nunca chegou.

Clark, que vende imóveis, disse que está mais atenciosa do que nunca com seu direito de voto e ir para a fila valeu o risco e o trabalho. "Acho que é uma garantia de que meu voto vai valer", disse ela.

Fonte: Estadão Conteúdo
PUBLICIDADES
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone para contato.: (35) 3332-1008
Textos e contatos em geral: jornalcp@correiodopapagaio.com.br
SAC: online@correiodopapagaio.com.br
R. Ledo, 250 - Centro - São Lourenço - MG