11:31hs
Domigo, 17 de Fevereiro de 2019
Liberdade - Notícias
30/04/2015 17h49

Casa Barbosa de Liberdade

Casa Barbosa continua à espera de que talvez um dia vozes voltem a ecoar em seu interior.

Recuperação ou demolição?

Por José Francisco Barbosa

 

A entrada de Liberdade tem uma construção que seduz o olhar de imediato, uma casa antiga,  parte viva das raízes de Liberdade, que nos atrai sem sabermos o porquê. A Casa Barbosa, mergulhada no mais completo silêncio, continua à espera de que talvez um dia vozes voltem a ecoar em seu interior. Como já houve um tempo em que era palco de festas, reuniões sociais, conversas, reuniões para jogar bingo, prosperidade, felicidade e planos.

Seu proprietário, Cel. Francisco Moreira Barbosa, a usava como moradia na parte da direita, onde criou sua família, e como casa de comércio na parte das cinco portas da esquerda. Semelhante a um supermercado de hoje, vendia de tudo. Em um dos livros do controle de vendas a prazo que está sob a guarda da família, páginas datadas de 1897 e 1900 citam mercadorias adquiridas por compradores: calça, camisa, maços de palha, lata de fumo, parafusos, maço de “phosphoros”, “assucar”, café, sal; registros contábeis de 1926 mostram compra de “saccos” de café e de milho. A moeda da época é identificada na duplicada datada de 19/10/1928, de 141$000, valor por extenso de cento e quarenta e um mil réis. Após a morte do Cel. Francisco, esse comércio teve continuidade por dois filhos. E no curso natural da vida, a casa ficou desabitada, assim permanecendo até os dias atuais, entrando em estado crítico quanto à sua conservação.

Isso gerou uma situação para a Casa Barbosa de somente duas soluções: recuperação ou demolição. A demolição seria uma tarefa bastante simples, ou seja, bastaria um trator e alguns trabalhadores para recolher os entulhos. Porém a opção não foi deixar um trator demolir o passado, fazer da história de uma cidade montes de entulho; pelo contrário, pretende-se que o passado de Liberdade continue vivo e pujante com a majestosa presença da Casa Barbosa, um marco do passado muito presente em nossas lembranças e corações. Alguém passou indiferente diante dela? Quantas vezes nossos olhares lhe fizeram perguntas para ouvir suas histórias?

Essas são algumas das razões para que um grupo de pessoas da comunidade, hoje uma associação com diretoria constituída, optasse por lutar por sua recuperação, que envolve um trabalho complexo e em várias etapas – algumas bastante difíceis. E mesmo sabedores disso, continuam nessa missão. No entanto, recuperar a Casa Barbosa teria sentido? Para qual finalidade?

A finalidade sugerida – e a associação espera mais sugestões – é construir os espaços internos da Casa para serem totalmente utilizados pelos libertenses, tais como museu, auditório, biblioteca, centro de informática, salas de aula, cozinha para aulas, salas-oficinas, etc.Uma estrutura adequada para cursos profissionalizantes: informática, marcenaria, serralharia, fabricação de móveis, culinária regional, doces em compotas, salgados, artesanato, etc. Oportunidades para renda e emprego. Crescimento não só econômico, mas também intelectual: grupos de estudo, encontros, palestras, criação de grupos ligados à poesia, música, pintura, etc. Isto será possível? Sim. A APAE de Liberdade comprova que com a participação de todos, com trabalho sério, tudo é possível.

 

PUBLICIDADES
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone para contato.: (35) 3332-1008
Textos e contatos em geral: jornalcp@correiodopapagaio.com.br
SAC: online@correiodopapagaio.com.br
R. Ledo, 250 - Centro - São Lourenço - MG