09:08hs
Quarta Feira, 16 de Outubro de 2019

Leia nossas últimas edições

Correio do Papagaio - Edição 1385
Correio do Papagaio - Edição 1383
Opinião
15/08/2018 14h20

O Bordado e seu impacto na Saúde Intregral

Fotos: Arquivo Pessoal

 

Por Norma Carvalho – Kitula Bordados

No mundo em que vivemos, entre as turbulências cotidianas, é preciso retornar à essência. O bordado vem sendo explorado para além de seu uso estético e nos dias de hoje é forte aliado na meditação, na clínica psiquiátrica, como arteterapia e como ferramenta para aprimoramento de habilidades fundamentais para o ser humano, como a memória e a concentração.  No mundo do bordado somos capazes de criar e descobrir as belezas da vida, nos conhecemos melhor a cada linha, e descobrimos novas possibilidades a cada ponto marcado no tecido. Vamos conhecer um pouco dos benefícios do bordado:

 1) Bordado e o Cérebro

Sabemos hoje que o cérebro é ativado em sua totalidade ao longo do dia, e diversas áreas são ativadas simultaneamente em uma mesma atividade. Por exemplo, quando escrevemos ativamos o córtex motor, acessamos as áreas da linguagem e ainda o córtex pré-frontal, de maneira automatizada e inconsciente. No entanto, este tipo de atividade já é automatizada e não requer grande esforço para empreendê-la.

Tarefas que garantem o uso de diversas habilidades cognitivas simultaneamente são interessantes por ativarem vias neurológicas muitas vezes pouco utilizadas. A integração entre diversos centros neurológicos promove o aumento de interconexões entre as células neuronais e aumento da ramificação dos dendritos (parte do neurônio responsável pela conexão com demais células). Este fato é particularmente interessante para o homem, por garantir melhora das funções cognitivas, aumento da agilidade mental, e ativação de áreas pouco utilizadas.

Desde o início do aprendizado, e até mesmo após sua consolidação, diversas áreas do cérebro tem seu metabolismo aumentado durante atividades manuais criativas. No bordado, além da variação dos tipos de tecidos e linhas, são descritas também diversas técnicas para realização de cada ponto. A alta variabilidade de execução do bordado garante o uso de diversas habilidades cognitivas simultaneamente. Descrevemos abaixo cada uma dessas habilidades relacionadas com a área cerebral ativada.

*Atenção sustentada/ concentração

Na atualidade a concentração foi superada pela atenção dividida. Temos consciência de várias coisas que acontecem ao mesmo tempo: mexemos no celular enquanto vemos televisão e comemos. Esse tipo de atitude nos faz perder um grande aliado, o que chamamos de estar “presente no presente”. A atenção sustentada, tem como finalidade focar com precisão aquilo que se tem como objeto de interesse. Esse processo acontece na área do cérebro denominada córtex pré-frontal, responsável pelo planejamento de tarefas, pela execução de atividades cognitivas e comportamentos.

Estar presente no presente vai além de estar focado em um objeto. É estar consciente do que acontece, estar consciente do que se sente e pensa sobre o momento vivido. No método Kitula, o bordado é feito buscando estar presente no presente, para que cada ponto feito e cada imagem bordada tenha um sentido para o praticante, lembrando da importância de vivermos o agora e suas possibilidades infinitas.

* Aprendizado

O aprendizado é a capacidade de alterar a estrutura física neurológica, independentemente da idade ou fase da vida em que se aprende. No aprendizado do bordado são ativadas áreas do córtex cerebelar, essencial durante a aquisição de habilidades motoras e aquisição da memória processual (atividades automatizadas, como andar de bicicleta, dirigir, escrever, etc.). A aprendizagem motora fina é ainda desenvolvida com intermédio do córtex pré-motor (localizado na região parietal do encéfalo) bem como movimentos motores precisos.

O processo de aprendizagem pode ser medido através das curvas de aprendizagem, que mostram a importância da repetição de certas predisposições fisiológicas, de "tentativa e erro" e de períodos de descanso, após o qual se pode acelerar o progresso. No caso do método Kitula, o bordado é utilizado para auxiliar e consolidar a aprendizagem, sendo importante a prática diária mínima de 20 minutos.

* Memória

Utilizamos no bordado tanto a memória de curto prazo (dura minutos ou horas) quanto a memória de longo prazo (estabelece engramas entre os conhecimentos, e pode durar dias, meses, anos).  No início do aprendizado a memória mais recrutada é a de curto prazo, após o  aprendizado passa a ser utilizada a memória de longo prazo.

O processo de memorização é complexo e envolve sofisticadas reações químicas e circuitos interligados de neurônios.

A memória não está localizada em uma estrutura isolada no cérebro; ela é um fenômeno biológico e psicológico envolvendo uma aliança de sistemas cerebrais que funcionam juntos. O lobo temporal contém o neocórtex temporal, que pode ser a região potencialmente envolvida com a memória a longo prazo.  Nesta região também existe um grupo de estruturas interconectadas entre si que parece exercer a função da memória para fatos e eventos (memória declarativa), entre elas está o hipocampo.

O hipocampo, além de estar ligado à memória de longo prazo, faz parte do Sistema Límbico, região responsável pela regulação de nossas emoções. Em pacientes com Doença de Alzheimer, o hipocampo é uma das primeiras estruturas danificadas no processo patológico da doença, acarretando perda de memória além de reações emocionais inadequadas (ex.: ataques de raiva repentinos).

* Criatividade 

A imaginação humana decorre de uma ampla rede de áreas do cérebro que manipulam coletivamente ideias, imagens e símbolos. A capacidade de encontrar novos caminhos entre ideias e conceitos, e novos conceitos a partir das mesmas ideias, depende do esforço conjunto de regiões dos dois lados do cérebro. O uso de ambos os hemisférios cerebrais em uma mesma atividade é benéfico por trazer sobretudo flexibilidade cognitiva: a capacidade de mudar o conjunto de regras neuronais em uso. Na hora de ser criativo, o cérebro usa a si mesmo de outra maneira e descobre um caminho alternativo para resolver o problema da vez.

Se a imaginação depende dos sentidos e os sentidos dependem de experiência, então a imaginação depende de experiência. Ao imaginar as possibilidades de criação do bordado, o método Kitula estimula as pessoas a manipularem imagens mentais, envolvendo uma rede de quatro áreas do cérebro fundamentais - o córtex occipital, o córtex parietal posterior, o precuneus posterior e o córtex pré-frontal dorsolateral - que estão envolvidos em funções de processamento, atenção e funções executivas visuais.

* Movimento manual

A Coordenação motora é a capacidade que temos de coordenar os movimentos decorrentes da interação entre o cérebro e as unidades motoras dos músculos e articulações. É a capacidade de usar de forma eficiente e precisa os pequenos músculos, produzindo assim movimentos delicados e específicos. Este tipo de coordenação permite dominar o ambiente, propiciando manuseio dos objetos.

Esse tipo de movimento, no qual a produção e a execução do movimento são planejadas de forma consciente e controlada, é dividido em três níveis: planejamento, tático e execução. A ativação da zona pré-motora do córtex cerebral, que planeja o gesto, desencadeia um potencial de ação para o córtex sensório-motor que envia o comando para o tálamo, daí para os núcleos da base, onde há divergência do sinal para o cerebelo e para o tronco cerebral, seguindo para a medula, de onde parte para o músculo, via motoneurônio, iniciando a contração muscular. Posteriormente, estímulos sensoriais chegam ao cerebelo, informando sobre a execução do movimento. No cerebelo, há encontro de informações sobre a ação motora idealizada e a realizada. É feita uma comparação entre elas e o resultado é enviado para o córtex sensório-motor, que corrige o movimento, a fim de torná-lo mais preciso. Para executar um gesto são realizadas milhares de correções, e a precisão das correções aumenta com a experiência na execução do gesto.

O controle motor fino, utilizado durante o bordado, está entre as habilidades que requerem mais atenção e concentração durante a execução, a precisão do movimento implica num aumento da preparação para sua execução. A sinestesia corporal, que é a noção do próprio corpo em relação ao ambiente, está diretamente ligada ao controle motor fino. O trabalho manual do bordado estimula ainda psicomotricidade, aliando o movimento manual à mente.

*  Planejamento e estratégia

A cada bordado iniciado é necessário pensar qual tipo de linha e agulha adequado para o tecido em mãos, quais as cores e como elas serão dispostas ao longo do trabalho, quais os pontos e quais técnicas serão utilizadas a cada momento. Tantas escolhas disponíveis auxiliam o indivíduo no aprimoramento de suas habilidades de planejamento de estratégias e tomada de decisões.

A elaboração de estratégias é uma atividade cerebral supramodal, que recruta neurônios de áreas corticais terciárias. Estas áreas, localizadas ao longo de quase todo o cérebro, estão relacionadas com a manutenção da atenção, controle do comportamento emocional, bem como a escolha do comportamento adequado para cada contexto social vivenciado.

* Conexão com as emoções

Como dito anteriormente, o hipocampo é recrutado ao longo da atividade do bordado. Esta estrutura além de fazer parte do circuito da memória integra também o Sistema Límbico. É importante lembrar que sentir a emoção e reconhece-la não são a mesma coisa. No entanto, enquanto a pessoa borda, sob o auxílio de um professor capacitado, ela pode perceber tendências emocionais que são estampadas pelo uso das cores, pela força utilizada nas mãos, e ainda pelo que o desenho a remete. É possível ainda ressignificar tais sentimentos durante o bordado, criando assim novas conexões neurais e novos estados emocionais.

2) BORDADO E MEDITAÇÃO

A meditação vem sendo muito explorada como ferramenta para pessoas com diferentes contextos: escolares, grávidas, dependentes químicos em reabilitação, detentos, pacientes com dores crônicas, entre outros. Seja para melhora da qualidade de vida, diminuição do estresse, aumento das habilidades da memória, ou conectar-se com o Sagrado, a meditação já tem sua eficácia comprovada pela ciência.  Bordar meditando é possível! Para tanto é essencial a presença de um professor capaz de conduzi-lo pelo caminho correto.

O movimento repetitivo das mãos, assim como mantras, faz a pessoa entrar em um estado de relaxamento. Enquanto o praticante permanece com o foco da atenção sustentada, presente no presente, é possível adentrar em um estado de consciência profundo, além do vivenciado rotineiramente. Quando o praticando do bordado encontra-se imerso, entregue em sua prática manual, ele volta a respirar conscientemente e pode iniciar mais facilmente atividades reflexivas.

A meditação aliada ao bordado permite ao ser humano restabelecer conexões perdidas em sua evolução, promove a cura e o desenvolvimento de áreas emocionais importantes para a existência de um indivíduo mais inteiro, menos fragmentado. Com cores, linhas e tecidos é traçado o retorno à sensibilidade do ser humano. A percepção mais apurada de si mesmo leva à uma percepção melhor do mundo, do outro e de tudo que o cerca.

No método Kitula acreditamos que para um bordado verdadeiramente significativo é necessário a observação da natureza. Ao notar diferentes tons de cores, sombras, formas, o homem retorna ao seu habitat. Ao perceber a natureza, o indivíduo percebe a natureza que existe em si.

3) BORDADO COMO ARTE TERAPIA

A arte permite ao ser humano a liberação de seus sentimentos e emoções, garantindo, naquele momento, um encontro consigo mesmo por meio da arte, aumentando a qualidade afetiva das relações interpessoais, pela melhora da comunicação, fortalecimento da autoimagem e pela redescoberta de potenciais criativos.  A utilização da arte no processo terapêutico permite identificar nas imagens, música e escrita, representações de suas expressões, seus sentimentos, pensamentos e sensações naquele momento da vida.  As oficinas de artes manuais (bordado, crochê, tricô, pintura, entre outros), são utilizadas hoje na reabilitação em diversas áreas da saúde como também na clínica psicopedagógica. Os relatos de primeiro uso da Arteterapia datam logo após a Segunda Guerra Mundial, sendo usada para que os sobreviventes traumatizados, pudessem de alguma forma expressar seus sentimentos e imagens mentais.

Cada atividade, cada material, cada cor e forma, tem uma possibilidade de atuação em cada paciente. Assim, um rolo de linha pode permitir a percepção e integração de noções de espacialidade. As cores podem permitir a expressão afetiva e emocional. O desenho a ser criado permite desenvolver a esfera cognitiva, além da capacidade de abstração. Os fios utilizados no bordado permitem o fortalecimento e a reeducação do pensamento. A arte produzida, quando conduzida por um arteterapeuta, permite a ampliação da consciência, levando assim ao autoconhecimento. A arteterapia facilita ao paciente entrar em contato com seu poder criador. Ao criar o belo a pessoa entra em contato com o belo que habita em si; ao expressar raiva, revolta, indignação, a pessoa percebe outra face de seu poder pessoal.

Citamos abaixo o relato de alguns pacientes expostos à bordadoterapia e seus ganhos percebidos:

“[...] Agora parece até que a mente voltou com os bordados, acho que a gente força a mente e ela volta” - Recuperação da habilidade de retenção de informação.

“[...] Minha memória melhorou muito, porque tem que concentrar muito. Eu bordo todos os dias.”- Como característica do bordado, a necessidade de retenção de informações prévias para produzir novos trabalhos, daí a importância da atividade rotineira na retenção da memória.

“Eu guardo meus bordados, fico feliz em ficar pegando neles, dou de presente, forro meus negocinhos” - Revela a aplicação terapêutica que os bordados representam.

“[...] Depois que entrei nos bordados minha vida mudou, estou mais tranquila, alegre, gosto de fazer as coisas, não gosto de ficar parada.” - Declara que a prática da atividade manual é capaz de proporcionar alegria, tranquilidade às pessoas, procurando sair da inércia.

[...] Depois que eu comecei a fazer esses bordados eu fiquei menos nervosa, volto a falar, esses trabalhos são como remédios pra mim, se alguém for me impedir de bordar um dia eu prefiro morrer, não consigo nem pensar o que seria de minha vida sem bordar.” - Revela a necessidade "deste medicamento" na continuidade de uma vida mais equilibrada e feliz.

Contatos: Norma Carvalho: (35) 99847-8336
Facebook: @ Kitula - Bordados
Instagram: @kitula.bordados.patchwork
Site: http://kitula.portalsl.com.br/

 

PUBLICIDADES
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone para contato.: (35) 3332-1008
Textos e contatos em geral: jornalcp@correiodopapagaio.com.br
SAC: online@correiodopapagaio.com.br
R. Ledo, 250 - Centro - São Lourenço - MG