10:07hs
Quarta Feira, 11 de Dezembro de 2019

Leia nossas últimas edições

Correio do Papagaio - Edição 1398
Correio do Papagaio - Edição 1400
Opinião
09/07/2015 09h40

São Tomé como ajudou !!

José Luiz Ayres

Revendo meus alfarrábios e anotações, as quais tenho me valido a trazer em recordações, episódios pertinentes às crônicas que hoje fazem e farão parte da coletânea, “ Na Fumaça do trem“, que venho conseguindo através de décadas, narrativas expostas por variado número de anônimos narradores e outros tantos amigos como: meu pai Luiz, chefes de trens e estações; no caso; Evandro, Miguel, Paixão e o mais presente: Monsenhor Barbosa, o qual me trás passagens muito além de humorosas e dramáticas, mas sim momentos de reflexões doutrinados pela palavra de sabedoria acalentadora e pacífica, às situações que ora se desenvolviam às vezes de ânimos acirrados em clima tempestuoso, cujas consequências talvez terminassem em violência e tragédias.

Recordando, resolvi contar um episódio o qual Barbosa com sua índole pacificadora de domínio peculiar e marcante, transformar o que dava prenúncio em ser um dificultoso entrevero numa celebração de cordialidade e paz entre“ contendores “. Por volta de 5 horas da manhã, lá estava Barbosa à plataforma da estação férrea do Parapeuna (RJ) a aguardar o trem misto em direção a Rio das Flores, já que havia pernoitado numa fazenda em Rio Preto devido ao comparecimento a ministrar o sacramento da extremaunção a uma senhora, pois seu passamento era inevitável e, o seu regresso à sua paróquia, dada a hora seria impraticável, vez que o trem só mesmo às 12:00 do dia.

Assim que pisou à plataforma, depois de deixar a charrete da fazenda que o trouxera, observou entre os sitiantes e suas mercadorias que ali se encontravam, que uma confusão se fazia presente dado ao ênfase dos tons de vozes ouvidos. Preocupado, dirigiu-se ao olho do furdunço. Ao chegar, viu que a desavença ocorria bem agressiva entre dois produtores, ou melhor ; uma mulher e um homem.

Aquela mulher conhecida como Lina, pois seu nome bem atípico era Vascolina, de dedo em riste discutia com seu correlato produtor que não permitia que seu produto: 12 caixas de tomates, fosse colocado no vagão de carga, – veículo agregado ao trem misto toda 3ª feira – junto à sua carga de bananas com alegação de que seus frutos seriam contaminados pela acidez do tomate e que ao chegarem ao destino – ex-mercado do Distrito Federal no Rio de Janeiro à praça XV – com as bananas se deteriorando e comprometidas, o que traria um grande prejuízo. Vascolina não se fazendo de rogada, pois possuía da ferrovia autorização de transporte e o manifesto da carga, não aceitava a imposição e que colocaria seus tomates no vagão, custasse o que custasse, nem que para isso fosse obrigada a se tornar criminosa. Com os ânimos acirrados e a vociferação mútua já extrapolando a razão, Barbosa resolveu intervir perguntando ao bananeiro, baseado em que sua afirmação era procedente, pois desconhecia tal coisa. O homem mostrando-se nervoso, vê que Barbosa ao se aproximar dos dois produtores, antes de se insurgir e respondê-lo, curva-se a beijá-lo à mão, o que também fez Vascolina. Aproveitando-se do instante de trégua, Barbosa com seu bondoso e cativante sorriso, juntou-se aos dois em ato pacificador a enlear seus braços a cada um deles, solicitou que o acompanhassem à oração. Contritos, assim os fizeram como todos ali presentes.

Finda a oração, Barbosa dirigindo-se ao bananeiro com sua fala mansa, argumenta que tal coisa não existe e que só poderia ser crendices ou invencionices, pois se Deus criou o mundo e tudo que nele colocou e deu vida, como poderia impor este absurdo, já que tais vegetais são os alimentos que alimentarão nossas vidas enquanto vivermos a caminho da vida eterna a juntar-se a Ele !

Isto só pode ser coisa do “ rabudo “ tentando impor suas diabruras maléficas, a causar discórdia e nos levar a tragédias. Fazendo com que se abraçassem, Barbosa selou e abençoou a confraternização a unirem-se pela fé com os sitiantes presentes, onde deu sua benção pedindo a intercessão de São Tomé, já que estávamos no dia 03 de Julho, dia consagrado ao santo que só acreditava naquilo que via e não naquilo que ouvia falar.

 

PUBLICIDADES
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone para contato.: (35) 3332-1008
Textos e contatos em geral: jornalcp@correiodopapagaio.com.br
SAC: online@correiodopapagaio.com.br
R. Ledo, 250 - Centro - São Lourenço - MG