22:06hs
Segunda Feira, 23 de Outubro de 2017

Leia nossas últimas edições

Correio do Papagaio - Edição 1038
Correio do Papagaio - Edição 1042
Política
20/09/2017 13h20

Alckmin: deixar escolha de presidenciável para abril é 'política de improviso'

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse nesta quarta-feira, 20, que deixar a escolha do candidato à Presidência da República pelo partido para abril ou maio é "fazer política de improviso" e afirmou que pesquisa eleitoral "não é parâmetro" para a escolha do presidenciável. A declaração foi dada um dia após a divulgação da pesquisa CNT/MDA, que mostra o governador abaixo das intenções de voto de seu afilhado político, o prefeito João Doria (PSDB).

"Se tivermos dois candidatos, podemos marcar prévias para o comecinho do ano. Não precisa ser decidido nada agora, mas não defendo deixar nada para a última hora. Tudo o que é improvisado é mal feito. Aliás, no Brasil precisamos parar com a improvisação, inclusive na política", afirmou o governador em evento do Prêmio Excelência em Competitividade, realizado pelo Centro de Liderança Pública (CLP). A escolha até o fim do ano para o candidato ao Planalto pode favorecer o governador, mas não é consenso dentro da legenda.

Segundo o levantamento, divulgado pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT), Doria está com 2,4% das intenções de voto, um crescimento de 2.1 pontos percentuais em relação a fevereiro. Já Alckmin aparece com 1,2% dos votos, ante 0,7% no levantamento anterior. Os números têm como base a consulta de intenção de voto espontânea, ou seja, quando não é apresentado nenhum nome aos entrevistados.

O governador justificou o resultado, também, dizendo que não tem feito tantas viagens pelo País. "Também não tenho viajado tanto", disse, numa declaração que parecer uma alfinetada a Doria - que tem feito viagens nacionais e internacionais.

Na contramão do que tem dito Doria, que levanta a ideia de que o PSDB considere as pesquisas eleitorais para a escolha do candidato, Alckmin diz que os levantamentos não devem ser padrão para a escolha. "Este não deve ser o parâmetro. Se fosse escolher por pesquisa, o segundo turno em São Paulo (para a prefeitura) teria sido entre Celso Russomano e Marta Suplicy"

Apesar de não ser o tucano melhor sucedido no levantamento, Alckmin disse ter considerado o resultado ótimo. "Achei ótima a pesquisa. Estamos praticamente empatados. E eu não disputei eleição no ano passado. A última que disputei foi em 2014 e eleição para governador fica sempre escondida por causa da eleição para presidente."

"Precisamos planejar as coisas. O País é um país continental. Quem for escolhido candidato, vai ter de fazer alianças, discutir um grande projeto para o Brasil com a sociedade, viajar pelos vários Brasis. Por isso, tenho defendido, que não se pode deixar para lá na frente, na última hora", finalizou o governador tucano.

Fonte: Estadão Conteúdo
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone para contato.: (35) 3332-1008
Textos e contatos em geral: jornalcp@correiodopapagaio.com.br
SAC: online@correiodopapagaio.com.br
R. Ledo, 250 - Centro - São Lourenço - MG