14:24hs
Terça Feira, 02 de Junho de 2020

Leia nossas últimas edições

Correio do Papagaio - Edição 1439
Correio do Papagaio - Edição 1442
Saúde
24/03/2011 14h32

Saúde Micose

Saúde: Micose
micose

Dra. Zilda Najjar Prado de Oliveira é médica dermatologista do Departamento de Dermatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo

 

As micoses são formadas por fungos, que são estruturas simples e existem na natureza há milhões e milhões de anos. Encontrados em todos os ambientes, estão permanentemente em contato com nossa pele e mucosas externas, mas não provocam nenhum tipo de reação patológica porque vivem na camada constituída pelas células mortas e nosso organismo entra em equilíbrio com eles. Sob certas circunstâncias, porém, pode abrir-se uma porta, por onde os fungos penetram e provocam uma infecção chamada micose, que é completamente diferente das infecções causadas por bactérias e vírus.


De preferência, as micoses desenvolvem-se na pele, no couro cabeludo e nas unhas, áreas mais úmidas e ricas em queratina que se transformam no habitat ideal para os fungos se desenvolverem. Micoses exigem tratamento prolongado e persistente, sob a orientação de um médico dermatologista. A melhor forma de preveni-las é cuidar da higiene e evitar situações que possam favorecer a infecção por fungos.

 

 


Candidose ou (Candidíase)

 

Drauzio – Qual é a primeira micose a aparecer na vida?


Zilda Najjar – A primeira micose é a candidose (imagem 01), popularmente conhecida como sapinho. Causada por um fungo – a cândida – caracteriza-se pelo aparecimento de pequenas bolas brancas que podem formar placas principalmente na língua, mas também nos lábios e, às vezes, fora da boca. A cândida é um fungo oportunista, normalmente encontrado em nossa boca, intestinos e nas vaginas das mulheres. Ela pode desenvolver-se porque a criança teve uma diarréia e colocou a mão contaminada na boca, ou porque o bico do seio, as mãos da mãe ou algum objeto (bico da mamadeira, chupeta) estão infectados. Portanto, a doença tem caráter endógeno, isto é, sua origem está no próprio organismo da criança, ou caráter exógeno porque pode ser adquirida pelo contato com alguma superfície contaminada. Por isso, é importante esterilizar bicos de mamadeira e chupetas e prestar atenção nos brinquedos que a criança põe na boca.

 


Drauzio – A candidose, ou candidíase como a infecção era conhecida no passado, pode aparecer logo após o nascimento?


Zilda Najjar – Não logo após o nascimento, mas nos primeiros dias de vida. Geralmente, ocorre quando a criança tem um ou dois meses e entrou em contato com o mundo do lado de fora do útero materno. Esse distúrbio que permite o desenvolvimento de fungos presentes no nosso organismo ou das bactérias que adquirimos do ambiente tende a melhorar com o crescimento. No entanto, embora não seja o habitual, uma queda de imunidade pode fazer com que a criança tenha sapinho novamente aos cinco, seis meses de idade. Às vezes, a mãe ou a babá têm cândida na vagina e contaminam as mãos, e é isso que promove a reinfecção da criança.

 


Drauzio – Um cuidado tão simples como lavar as mãos antes de lidar com a criança, na verdade, é a melhor profilaxia que existe para o sapinho.


Zilda Najjar – Outro cuidado é não ficar beijando o nenê, especialmente se a pessoa for portadora de algum problema.

 


Drauzio – Como se trata o sapinho na criança?


Zilda Najjar – O tratamento do sapinho é feito com cremes antifúngicos de uso local.

 


Drauzio – Candidose é uma doença que não afeta apenas as crianças e pode ser grave em pacientes adultos imunodeprimidos.


Zilda Najjar – Principalmente nos pacientes com Aids, a cândida provoca quadros gravíssimos e as lesões manifestam-se não só a língua, mas no esôfago, em todo o trato gastrintestinal e na região do ânus. Quando a imunidade está comprometida, ela age com toda a força e não responde ao antimicótico de uso local. Por isso, pessoa com forma muito agressiva da doença necessita de remédios por via oral e,às vezes, por via endovenosa.

PUBLICIDADES
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone para contato.: (35) 3332-1008
Textos e contatos em geral: jornalcp@correiodopapagaio.com.br
SAC: online@correiodopapagaio.com.br
R. Ledo, 250 - Centro - São Lourenço - MG