Dona Léia é exemplo de empreendedorismo e ação - Soledade de Minas - Notícias - Jornal Correio do Papagaio
16:08hs
Domigo, 19 de Agosto de 2018
Soledade de Minas - Notícias
03/09/2015 15h07

Dona Léia é exemplo de empreendedorismo e ação

As Rosquinhas de Nata Caseira da Léia são feitas de uma receita que passou de geração em geração e fazem a delícia dos consumidores.

Vanderleia Silva Capitulino, mais conhecida como Léia, é uma mulher empreendedora e corajosa. A sua história é um exemplo de força de vontade e de como o empreendedorismo pode mudar a vida das mulheres que, através da perseverança, não desistiu de seus sonhos.

Há aproximadamente 5 anos, Léia vendia empadas caseiras e café na estação de trem de Soledade de Minas. Com uma estrutura simples, mas com muita simpatia, ela conquistou seu espaço e clientes. Após a reforma da estação, ela foi impossibilitada de permanecer no local e viveu um momento de impasse.

Na época, acompanhando o café, ela fazia com a nata que sobrava do leite que a sua filha consumia umas rosquinhas que aprendera com a sua avó. Os turistas gostavam tanto da rosquinha que ela começou a fazer saquinhos e então a vendê-las nas ruas. “Botava as rosquinhas no cestinho e ia para as ruas”, conta. Léia vendia em diferentes cidades: Soledade de Minas, Caxambu, São Lourenço e só voltava para casa depois de conseguir vender tudo. A força e a perseverança vinham da reação dos seus clientes que gostavam muito do sabor e textura dos biscoitos e a incentivavam em continuar.

Com o tempo, o negócio foi crescendo e hoje Léia não vende mais nas ruas. As Rosquinhas de Nata Caseira da Léia podem ser encontradas em diferentes estabelecimentos comerciais de São Lourenço, Caxambu, Conceição do Rio Verde, Passa Quatro e Carmo de Minas. Por semana, Leia distribui cerca de 300 saquinhos, produzidos frescos e de forma caseira, todos os dias.

“Minha avó fazia esses biscoitinhos quando eu era criança. Fazia para a gente tomar café. Como a gente morava na roça, tinha muito leite, então ela usava a nata para os biscoitos. Eu cresci com isso e aprendi com ela”, relembra Léia.

O sonho ainda não terminou. O objetivo é que o negócio cresça ainda mais, que vire uma empresa, com funcionários. Um negócio familiar para poder deixar o legado para as suas filhas.

“Eu sempre mantive a fé e o foco, mesmo com as dificuldades, sempre segui em frente. E a satisfação maior é essa: as pessoas gostarem da rosquinha.É isso que me dá força para continuar”, conclui a empreendedora.

Para mais informações: (35) 3333-1481 / (35) 9119-5773.

 

PUBLICIDADES
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone para contato.: (35) 3332-1008
Textos e contatos em geral: jornalcp@correiodopapagaio.com.br
SAC: online@correiodopapagaio.com.br
R. Ledo, 250 - Centro - São Lourenço - MG