14:56hs
Domigo, 26 de Maio de 2019

Leia nossas últimas edições

Correio do Papagaio - Edição 1337
Correio do Papagaio - Edição 1338
Turismo
23/08/2013 11h25

Praias brasileiras recebem estrutura para atrair pessoas com deficiência

A ação de acessibilidade no litoral já funciona na praia de Ponta Negra, em Natal e nas praias de Olinda, Fernando de Noronha, Porto de Galinhas e Boa Viagem, em Pernambuco

Iniciativas no litoral brasileiro têm tornado as praias mais atraentes para pessoas com algum tipo de deficiência. Com esteiras de acesso ao mar, cadeiras de rodas anfíbias e profissionais qualificados para o banho assistido, um grupo pioneiro de organizações e secretarias de turismo se uniram para incluir quem tem algum tipo de limitação nas atividades turísticas. 

A acessibilidade no litoral já funciona na praia de Ponta Negra, em Natal (RN), por meio do projeto OrtoRio, da Secretaria Municipal de Turismo e Desenvolvimento Econômico. Já nas praias de Olinda, Fernando de Noronha, Porto de Galinhas e Boa Viagem, todas em Pernambuco, também oferecem a oportunidade para entrar no mar com apoio do projeto Praia Sem Barreiras, da Secretaria de Turismo de Pernambuco.

O Brasil tem 45,6 milhões de pessoas com alguma deficiência, segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística do IBGE, de 2010. Com o programa Turismo Acessível, que oferece um pacote de incentivos à estrutura e promoção acessibilidade. A ação reservou investimento de R$ 100 milhões para promover a inclusão social e o acesso de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida à atividade turística.

Atualmente, há investimento de R$ 7 milhões em obras de acessibilidade em Pernambuco. Entre elas, a Praça da República, o Mercado São José, a Avenida Boa Viagem e o terminal integração de passageiros, todas em Recife, e o Mercado da Ribeira e a Orla de Olinda, em Olinda.

O Ministério do Turismo tem um programa chamado Turismo Acessível, que oferece um pacote de incentivos à estrutura e promoção acessibilidade. A ação reservou investimento de R$ 100 milhões para promover a inclusão social e o acesso de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida à atividade turística.

A capacitação de profissionais para atender os deficientes e manusear os equipamentos de forma adequada é imprescindível. A mão de obra entre as pessoas com deficiência ou alguma mobilidade reduzida também pode ser muito bem aproveitada no turismo.

Orientações para a adaptação de estabelecimentos turísticos estão previstas na norma técnica NBR 9050, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), sobre Acessibilidade a Meios, Edificações, Mobiliário, Espaços e Equipamentos Urbanos.

Aliada às iniciativas de acessibilidade, o governo federal criou o Plano Viver Sem Limites, com iniciativas na mesma área, como transportes escolares acessíveis, formação de professores e tradutores-intérpretes em Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Viver sem Limites

Lançado em 2011, o Programa Viver sem Limite - Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, foi criado para garantir oportunidades, direitos e cidadania para todas as pessoas com algum tipo de deficiência.

Por meio de ações estratégicas em educação, saúde, inclusão social e acessibilidade, o Plano tem como objetivo promover a participação da pessoa com deficiência na sociedade, promovendo sua autonomia, eliminando barreiras e permitindo o acesso e o usufruto, em bases iguais, aos bens e serviços disponíveis à população.

As ações previstas são executadas em conjunto por 15 órgãos do governo federal, sob a coordenação da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH).

Fonte/Brasil Governo

 

PUBLICIDADES
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone para contato.: (35) 3332-1008
Textos e contatos em geral: jornalcp@correiodopapagaio.com.br
SAC: online@correiodopapagaio.com.br
R. Ledo, 250 - Centro - São Lourenço - MG